Quem já acompanha o site viu uma série de posts da nossa viagem de final de ano pela América Latina e decidi agora falar de cada país.

Foram 20 dias intensos no Chile. Aparentemente muito não é!! Mas acredite, foi pouco , por que o país além de ser imenso em comprimento, tem ecossistemas bem diferentes, de geleiras à deserto, de lagos à arquipélagos.

Vou falar agora sobre itinerário de cidades e a segunda parte sobre as dicas básicas, lembrando que fomos no Verão e tudo muda, clima quente, pouca umidade, passeios absolutamente diferentes do inverno.

Nosso Roteiro :

08 dias em Santiago

4 dias em Santa Cruz e Valle do Colchagua

1 dia em Isla Negra (em trânsito)

3 dias em Vina Del Mar (Valparaiso)

4 dias em San Pedro do Atacama

 

Transporte :

Em Santiago fizemos tudo de metrô e Uber. Apenas no aeroporto onde Uber não chega e táxi é complicado, usamos o Transfer da empresa Transvip . Chegamos e pegamos logo um carro compartilhado que saiu bem mais barato e já acertamos ida e volta. Nem precisa agendar pois funciona 24 horas. Os taxistas te assediam no desembarque , foi algo surreal e intimidador, por isso que os uberistas não se arriscam de entrar lá.

Metrô em Santiago é fantástico, muito fácil de usar, basta baixar aplicativo no celular e se localizar, os pontos turísticos são muito bem servidos de metrô.

No 8 oitavo dia de viagem, alugamos carro no Aeroporto, lembram do Transfer de volta?? Pois é, fomos pegar o carro no aeroporto e de lá já partimos para Santa Cruz, afinal no dia 02/01 teríamos de ir pegar vôo para Atacama, assim, devolvemos o carro também no aeroporto e partimos, sem taxas adicionais, geralmente devolver em outra estação aumenta o valor da tarifa de aluguel. Usamos o seguro de carro de nosso cartão Visa, o que já foi outro custo a menos.

De carro de Santiago até o Vale do Colchagua foi super tranquilo , Ruta 5, muito boa, mega, hiper sinalizada, impossível errar e seguimos tudo pelo Waze, não alugamos GPS.

Fiz pesquisa pelo site Kaiak e achei a mais barata O’Carrol, empresa Chilena, muito boa, aprovada. Não ache estranho pois o funcionário te acompanhará do saguão do aeroporto até o estacionamento coberto e lá que faz todos os procedimentos em pé mesmo, não tinha balcão. Depois vi na internet que  é uma empresa grande.

O carro facilitou muito todos os passeios nas vinícolas, pois são próximas, mais em áreas rurais de Santa Cruz e San Fernando. E haja passeio para fazer neste vale maravilhoso.

Vina Las Ninas

Vina Las Ninas

Pegamos o carro e seguimos para Isla Negra , ver a Casa de Neruda; deixamos no estacionamento pago pois ouvi muitos boatos de furtos de  malas de turistas em veículos .

Almoçamos por lá e seguimos viagem dia 30/12 para Vina Del Mar onde passaríamos o Réveillon. O Waze nos mandou por uma estrada vicinal rural ao invés da principal, que eles chamam de Ruta. Achamos estranho mas fomos e deu tudo certo. O aplicativo estava, na verdade, nos desviando dos mega engarrafamentos. Vina é igual o Ano Novo do Rio de Janeiro, todos querem ir e lota demais.  Confesso que não tem muvuca nenhuma, a queima de fogos  é bem espalhada, democrática, por várias e várias praias  e eu amei !! Conto sobre este Reveillon aqui.

Alugamos Apartamento com garagem pelo AirBNB, muito bom e seguro. Em Vina é impossível achar uma vaga no dia 01/01. Impossível mesmo? Andamos kilometros e nada de uma vaguinha. O bom foi que conhecemos Vina até as parais mais distantes ,  por uma estrada linda, que beira o Pacífico e é uma baita obra de engenharia. Quer ganhar desconto no air bnb? Clica aqui

De Vina del Mar para Valparaiso fomos de Metrô, muito bom. Fizemos free walking tour, andamos bastante, subimos para Casa de Pablo Neruda- La Sebastiana de Uber, pois é uma ladeira cruel e o ascensor(plano inclinado)estava quebrado, para descer bem mais fácil.

Dia 02/01 acordamos cedo e vimos o trânsito no Waze até o aeroporto e tinha engarrafamento. Nos adiantamos e chegamos tranquilo, devolvemos o carro.

Seguimos viagem de avião até Calama. Comprei na Skyairlines, muito mais barata, empresa  local que faz voos dentro do Chile.

Chegando no moderno aeroporto de Calama ainda restava 1 hora até San Pedro de Atacama , estrada linda que já vai te ambientar com o deserto. Tente chegar antes do por do sol. Assim vê a estrada pelo dia com luminosidade. Nosso voo atrasou e perdemos o espetáculo.

Tem Transfer no aeroporto atendo até o último voo da noite.  Reservei antes mas foi totalmente desnecessário. O que aconteceu ?? Não gostei da empresa Licancabur, eles esperam o ônibus antigo encher, lotar e isso demorou demais , estava muito frio.

Licancabur- San pedro atacama

Se você comprar lá na hora , já sai no próximo carro imediatamente. Os preços são tabelados, tudo igual. Não vai mudar nada você reservar antes ou pegar na hora. Gostei dos carros da Transvip e saia todo tempo, não precisava reservar. Já ficam no saguão, os agentes oferecendo.

Em SAN Pedro fizemos passeios com Agência. Tudo lá é complicado e dirigir só se você tiver muita habilidade e coragem.

Depois de 04 dias pegamos um Transfer até Hito Cajon para Bolívia , aqui acaba nossa aventura no Chile e começa a do Uyuni que contei tudinho aqui.


 

Dicas Chile:

Uma coisa que aprendi no Chile foi beber água o tempo todo.

No verão é muito seco e quente. Sem água seu corpo vai sentir demais.

Meu kit sobrevivência também vale para o inverno, é,  neve queima e precisa de protetor solar diariamente e repassar viu???

Kit:

1 protetor solar corporal

1 bloqueador solar facial (+ alto que achar)

1 sorine

1 garrafinha de água (squeeze)

1 protetor labial

1 hidratante corporal

1 hidratante para o rosto

1 colírio

Subindo para 2 mil, 3 mil ,4000 metros tem de beber água de 10 em 10 minutos, são pequenos goles que vão aliviar os sintomas ou evitar o Soroche. Isso me salvou no deserto e quem vai subir para as estações de esqui salvará também. Como disse anteriormente, fui no verão mas estive no deserto que é frio e alto. Soroche é algo que você deve evitar, o mal de altitude é horrível e pode estragar seu passeio.


Internet:

1 chip comprado lá mesmo no aeroporto é essencial. Ou você pode comprar um chip internacional de diversas empresas que vendem no Brasil.


Câmbio:

No aeroporto é péssimo. Vá em Providência ou na Calle Augustina no Centro, são as melhores cotações. Aeroporto eu troco apenas 100 reais para não ficar pura. Paguei Transfer da Transvip no cartão de crédito, já para evitar transtornos com taxistas e notas falsas( problema em todo mundo não apenas no Chile)


Segurança:

Achei Santiago muito segura, mas qualquer lugar turístico tem seus problemas. Cuidado com os batedores de carteira. Então , os mesmos esquemas que temos no Brasil. Andar com bolsa e mochila para frente . Cuidado em metrô e na rua. Cuidado com celular.

Adoro blusas que tem bolsos internos, assim guardo tudo escondido e fico com as mãos livres.

Cuidado com golpistas, que deixam dinheiro cair, que fingem cair ao seu lado, que fingem passar mal, que pedem ajuda com dinheiro. Lemos um panfleto do Consulado do Brasil no Chile que estava sendo distribuído em shoppings. Imagina como deve ser corriqueiro, para um órgão público diplomático emitir tais panfletos.


Compras :

Amamos ! No verão comprei roupa de inverno e esportiva com muito desconto e promoções. Nos principais shopping’s tem o cartão de desconto do turista estrangeiro. Vá sempre na recepção e peça seu cartão de desconto e o caderno com as lojas participantes, apresentando seu passaporte ou RG e se joga !!! Por isso o legal de ir com pouca coisa na mala e ter espaço para comprar algo legal. Santiago tem shoppings de material esportivo, roupa de frio muito boa e com variedade incrível, que esquenta bem. Quem é do Nordeste sabe que essas roupas só usamos em viagens e em algum inverno um pouquinho mais puxado, por isso gosto de investir em peças boas e coringas, que vão servir para outras viagens e que combine com o que já tenho.

Amei conhecer a pedra Lápis Lazuli. Linda demais . E só compramos de lembrança ímãs de geladeira pois ainda teríamos semanas de viagem pela frente.

Cobre: cada item de cobre maravilhoso, muitos para decoração. Repito, vá com menos coisas na mala e volte com lembranças úteis!! Peças que você sempre lembrará daquela viagem maravilhosa.

Vinhos: leia antes as regras de cada companhia aérea. Prefira os que você não acha no Brasil de jeito nenhum. Cassilero Del Diablo, por exemplo, para que trazer se acha facinho em qualquer mercado no Brasil???

Agora, aquela vinícola pequena, quase artesanal, que você jantou, que tem um reserva especial, que no Brasil não chega, vale demais levar umas garrafinhas. Sugestão são os vinhos Rosé do Chile, considerei especiais.


Roupa:

Verão : as mesmas do Brasil, muito quente mesmo e tênis!!! Você vai andar muito.

Inverno : roupas térmicas e botas impermeável.

Sinceramente não oriento ninguém levar sapato alto, ou bota com salto. Só se for para tirar uma foto e guardar na mochila novamente(depois a gente discute esse excesso de vaidade). Santiago é uma delícia para andar. Sapato alto pesa, incomoda e não é nada prático.  Adoro proteger meus pés. Até sapatilha eu estou evitando. Por quê??? Eu não aprendi; certa feita em Portugal e agora na Bolívia, o dia estava lindo e sai de sapatilha, somente. Aí deu uma chuva inusitada, meus pés molharam, eu tive de comprar um sapato em Braga(Portugal). Na Bolívia tive de comprar uma meia térmica de lã, bem grossa na primeira loja que achei. A gente não conhece o clima ou subestima e pés gelados é uma porta para gripe. Incomoda demais e dá uma agonia que estraga seu dia. Não dá para voltar no hotel só para colocar a bota. E a Chuva, foi A CHUVA!!!!! Fiquei de pés molhados, comprei a meia, parei num banheiro, fui enxugar, secar, mas continuou chovendo. Estou aprendendo na marra.

Eu sou morta de frio, então quando viajo levo blusa e calça térmica, gorro, chapéu, luvas de couro, blusas de la, sweater, pijama de flanela, cachecol. Quando a viagem é urbana levo sobretudo bem pesado e grosso, quando tem passeios de natureza levo casaco térmico de fleece. Compramos um casaco duplo na Columbia, em Santiago , o preço estava ótimo, pois era verão e coleção antiga estava em promoção. Isso que eu falo, aproveita a viagem para comprar coisas úteis, legais e com preço bom.

Seguro Viagem:

Não tem como viajar para o exterior e não adquirir seguro viagem. Compramos passagens com milhas, mas pagamos as taxas de embarque no cartão,  a Visa fornece seguro para mim e meu esposo gratuitamente. Mas veja as regras direitinho para cada cartão, ainda mais quem for fazer esporte radical. Sempre tem boas promoções e se seu cartão está no limite, veja este site,  faça cotações entre várias empresas e emita seu boleto.

Mas Jurema, cadê as fotos maravilhosas deste país encantador????? Ficou curioso? Curiosa? Curiosx?? Então dá uma passada em nosso Instagram @juremacintra que falo bastante, inclusive com Destaques no Stories .

Leia também:  Salar do Uyuni sem perrengues

                           América Latina – como preparar mala de calor e frio na mesma viagem

                           Reveillon em Viña del Mar – como é?