Por que ficar mais dias em Ilhéus ?

Por que ficar mais dias em Ilhéus ?

Recebo sempre esta pergunta: fico quantos dias em Ilhéus?

A maioria dos viajantes tem muita dificuldade em fechar roteiros por que infelizmente esta cidade abençoada, linda e de 490 anos não tem secretaria de turismo, nem política de turismo. É surreal que os produtos não estejam formatados.

Vamos lá ,que a gente vai vencer esses incautos políticos politiqueiros, com diversão e alegria.

Sim, separe no mínimo 05 dias para Ilhéus.

PRIMEIRO DIA

Chegue bem, almoce legal e faça um city tour, não esqueça que não tem investimento público, então contrate um bom guia, caso contrário, não tem placas e você vai achar a cidade chata e sem graça. Tudo depende de como te contam as histórias reais e nababescas de Ilhéus. Sempre indico meu amigo Gregório (073998692144) , vale cada minutinho caminhando com ele pelo centro histórico. Lembre-se de provar Suco de Cacau na lanchonete Berimbau, de tomar chopp no Vesúvio e de 16/17 ver as maritacas na Praça da Dom Eduardo, onde está a Catedral de São Sebastião.

SEGUNDO DIA

Turismo náutico, agende visita de dia inteiro no Rio do Engenho. Para ir ligeiro, indico a lancha Royal Charolote com Vitamina (073-998351663), viagem vai durar 20 minutos no máximo, ainda passa pela ponte estaiada e centro da cidade via baía do pontal, depois ele volta e sobe o Rio de Santana até o povoado histórico. Mas se você quer ver o manguezal os animais, aves e quer curtir a paisagem, vá de barco po-po-po, aqueles dos pescadores mesmo, indico seu Gaspar(073-981311917). Tem aquele diferencial de levar um cooler, cervejinha, petiscos e ir curtindo a ida e volta. Lá tem 2 restaurantes legais indico o “Netos da Gabriela” de Maron, peixe com molho de gergelim, delicioso, quibe, todo o cardápio, serviço de excelência, o espaço é imenso e perfeito para ir com crianças, standup, canoa, prancha, bola de futebol, fazendinha de cacau, Caminho Feliz e a 2a igreja rural mais antiga do país, a Capela de Santana. Eu amo o Rio do Engenho e não canso de ir lá. Tem um outro restaurante Delícias do Engenho, é mais requintado, tem cardápio de cachaças bem legal.

No retorno ainda tem o por do sol da Sapetinga e tomar café e bolo no Café Fino Grão.

Vocês estará cansado de tanto banho de rio, então curta uma pizza na Massa pizzaria artesanal o na Pizzaria do Hotel Jardim Atlântico(aberta ao público) e durma mais cedo. Quer ir para balada ? KKKK, Não conte comigo, muito tempo sem frequentar , mas tem Mar Aberto e Baronesa, um espaço LGBT, esse eu recomendo mesmo, para incentivar a diversidade.

TERCEIRO DIA

Fazendas de Cacau e Praia . Você pode escolher

Fazenda Yrerê na manhã+ Camarões e Mariscos (almoço) + Praia do Sul (de tarde)

Fazenda Capela Velha (manhã) + Cabana do Bobô (almoço) + Praia do São Miguel (de tarde) – é a praia da Cabana mesmo

Fazenda Capela Velha (manhã) + Cabana da Empada (almoço) + Restaurante e Praia do Sargi (de tarde) – é a praia da barraca mesmo no litoral Norte, sentido Itacaré + Tapioca de Noite em Serra Grande

Fazenda Conduru /Dengo Origem (manhã) + Restaurante Cabruca (dentro da Dengo/almoço) + Café na Colina Benevides (tarde) + Por do sol na Sapetinga

Já falei e vou repetir, dia de chuva é excelente para ir nas Fazendas de Cacau

De noite não deixe conferir um restaurante bem ilheense como Marostica, ou Morro dos Navegantes ou o Pub Bela Vista.

QUARTO DIA

Turismo náutico na Lagoa Encantada. Você vai pegar um barco em Sambaituba ou na Vila Juerana, fale com nosso amigo Babito e ele conseguirá o barco ideal. É passeio de dia inteiro, você terá de agendar como barqueiro e o restaurante 1 dia antes. Eu amo comer pitu, galinha caipira , etc. Já falei aqui como é esse passeio. A viagem pelo Rio Almada é belíssima e não tem nada haver com o Rio do Engenho, acredite você não vai enjoar. Chegando lá tem banho de rio, tem a trilha até o véu de noiva, tem cachoeira, tem lendas, tem comida regional, é o máximo.

De noite vá nos barzinhos famosos, como Vesúvio Praia, ou Buteco do Posto, ou Boteco Sushi.

QUINTO DIA

Praia, praia , praia né. Comece o dia fazendo uma caminhada do Morro de Pernambuco , a volta no morro é massa e ali atrás tem a praia da Concha. Pegar o carro e ir até Olivença e Praia dos Lençóis também é uma delícia. Ir para Ilha do Desejo ou curtir as barracas da praia do Sul. Caminhar do Opaba/aeroporto até o Cururupe é uma maratona legal e não tem nenhum obstáculo natural, mas capricha no protetor solar e boné. No Norte a Praia do Sargi com suas pocinhas é uma delícia, olhe a tábua de maré antes.

Por favor não deixem de provar nossas moquecas, catado de aratu, lambreta, guaiamum, caranguejo, aipim frito, pitu, drinks com Mel de Cacau e Cacau. Sempre prestem atenção nos preços dos cardápios.

No Sul eu gosto de ir na Cabana Ribeiro e na Cabana Espelho D’água. No Norte na Cabana do Sargi. Ainda farei um rankig de todas as cabanas de Ilhéus, é meu sonho, me convidem.

Viu ???? Como tem coisas para fazer ??? Nem falei do Mirante do Outeiro, da Praça do Canhão e do abará dia de sábado, do feijão de Sodré, do Museu da Piedade, da terreiro Matamba Tombenzi Neto, dos eventos culturais, das feirinhas de economia criativa como Ciranda, Rua Viva e feira da Sapetinga e do Pontal, do festival do Chocolate.

Viu ??? ou tá cego??? Ilhéus tem muita atração , é uma pena que os incautos da prefeitura não invistam recursos e tempo para mostrar essas belezas ao mundo. E não tem fotos de propósito para você ficar na vontade e pesquisar os outros artigos do blog e mais ainda, venha conhecer com seus olhos.

Leia também: Ilhéus precisa renascer

Café Engenho – delícia de Ilhéus

Se Umbuzeiro Falasse … A Peleja entre o Umbuzeiro e o Roçador

Se Umbuzeiro Falasse … A Peleja entre o Umbuzeiro e o Roçador

Por Marialvo Barreto

Se você ainda não sabe
Vou lhe dizer o que é
O umbuzeiro é uma planta
Que na caatinga tem pé
Resistente a toda seca
Sagrado pra quem tem fé

É um símbolo do Nordeste
Onde o sol é de rachar
No tabuleiro e na serra
Em todo lugar estar
Só existe no sertão
Porque este é seu lugar

É uma moita fechada
Capricho da natureza
Sua sombra é muito fresca
É grande a sua beleza
Umbu é como se chama
O fruto que vai pra mesa

Da caatinga é a rainha
Das plantas que Deus criou
Alimenta rico e pobre
Analfabeto e doutor
E o sabor da sua fruta
Nosso povo consagrou

O sertanejo é quem chama
Sua fruta de imbu
E serve de alimento
Para mico e caititu
Pra bode, cabra e ovelha,
Guará, raposa e tatu

Tem umbu que é bem doce
Como o mel de uma flor
Também quando é azedo
Na boca chega dar dor
Faz bode berrar zangado
Relegando seu sabor

Tem umbu liso e redondo
Verde, maduro e inchado,
Grande, médio e pequeno,
Tem até umbu rachado
Tem do caroço miúdo
Pra se chupar descascado

A coisa que mais me alegra
É ver umbu “fulorar”
E escutar as abelhas
Com zum-zum-zum a voar
Ver o renovar da vida
Presente neste lugar

Na época das trovoadas
Depois do mês de setembro
Sua safra é de fartura
Ainda bem que me lembro
Do chão forrado de frutas
Em pleno mês de dezembro

No sertão tem o costume
De umbuzeiro dar nome,
Tem pé de umbu da pedra
Da cobra e do vagalume,
Da onça e da vaca seca
Da cacimba e do velame

Tem umbuzeiro de Tonha
De Zé de Sarapião,
De Zeca de Zé Pretinho
De Rosa e Mané Bião
De Bidé da Gameleira
E de Cosme Gavião

Outras frutas da caatinga
Correm o risco de acabar
Já não vejo mais o icó,
Cambuí e cambucá
Ah! Como tenho saudade…
Do gosto do trapiá

Quando o umbuzeiro cresce
Na beira de uma estrada
É açoitado de vara
Recebe muita pedrada
Fica todo arrebentado
De tanto levar pancada

A folha do umbuzeiro
É alimento sagrado
No desespero da seca
Vira comida de gado
E todo bicho que vive
Pelo sertão embrenhado

Mas nem tudo é alegria
Pelas grotas do sertão
Tem fazendeiro malvado
Raivoso e sem compaixão
Cortando pé de umbu
Pra plantar capim no chão

Devasta toda a caatinga
Sem dó e sem piedade
Corta até o umbuzeiro
Na mais dura crueldade
Sem falar no juazeiro
Pra completar a maldade

Acho muita malvadeza
Tirar raiz de umbuzeiro
Pra fazer doce de corte
E se trocar por dinheiro
E prejudicar a planta
No período do sequeiro

Se o umbuzeiro falasse
Eu passei a imaginar
Como seria a peleja
Com quem fosse lhe cortar
E leia com atenção
O que tenho pra contar

U aqui é umbuzeiro
R aqui é roçador
Vai ser uma peleja dura
De sentimento e de dor
Entre a bela natureza
E o ser devastador

U – Aqui eu nasci e cresci
Na seca deste torrão
Espalhado em toda parte
Pelas brenhas do sertão
Forneço sombra e alimento
Aos viventes deste chão

R – Estou de foice na mão
Pelo patrão enviado
Vou roçar esta caatinga
Deixar o mato virado
Arrumar tudo em coivara
Que pasto vai ser plantado

U – Com mais de quinhentos anos
Que nesta terra nasci
Nunca vi o seu patrão
Catando umbu por aqui
Vá e pergunte pra ele
Qual foi o mal que lhe fiz

R – O capataz me chamou
Pra fazer este serviço
Foi a mando patrão
Não vejo nenhum mal nisso
Receber sete reais
De diária o compromisso

U – Se você catar umbu
E for à feira vender
Vai aumentar o valor
Em dinheiro pra você
Vai dar sete vezes sete
É só conferir para crer

R – Mas se o imbu está verde
Como é que vou fazer?
Se já tivesse maduro
Quem sabe não ia ver
Se eu enchia um balaio
Pra na cidade vender

U – Sua pressa é sem razão
Veja o que vou lhe contar
Apressado come cru
Diz o dito popular
Estou lhe dando um conselho
Só quero lhe ajudar

R – No aço da minha foice
Ganho o pão de cada dia
Sustento mulher e filho
Lá na minha moradia
Vou derrubando caatinga
Que acho sem serventia

U – Deixe de ser rude homem
Que por aqui já lhe vi
Chupando umbu maduro
E quebrando licuri
Comendo fruta de palma
E caçando juriti

R – Isto já faz muito tempo
É coisa do meu passado
Na minha morada agora
Tem velhinho aposentado
Do mato tenho lembranças
De quando ‘tava apertado

U – Ainda me lembro bem
Quando aqui você chegou
Fez o trabalho e sumiu
Deixando grande fedor
Mas do umbu tinha caroço
Na “ruma” que tu deixou

R – Se imbuzeiro fosse
Planta que desse dinheiro
Seria coisa difícil
Só tinha no estrangeiro
Mas como só dá imbu
Vira pau de galinheiro

U – Do umbu faz doce e suco,
A saborosa umbuzada,
Vai misturada com leite
Com açúcar é adoçada
Reforçando o sertanejo
Na sua dura jornada

R – Faltam 10 pra meio dia
Vou a panela esquentar
A barriga já roncou
Vou minha fome matar
Debaixo deste imbuzeiro
Depois vou me descansar

U – Minha sombra agora serve
Para a tua maresia
Vou açoitar os meus galhos
Na força da ventania
Para lanhar as tuas costas
Cabra ruim sem serventia

R – Praga de urubu magro
Em boi gordo ela não pega
Aqui nesta terra vi
Saci montado na jega
Quebrando pé de imbu
Diabo que te carrega

U – Já comeu e descansou
Na sombra que eu te dei
Vai dizer pra teu patrão
Que o umbuzeiro é rei
Das plantas da caatinga
Está escrito na lei

R – Você quer me enrolar
Com esta conversa mole
Vou afiar minha foice
E depois tomar um gole
Pra enfrentar o roçado
E sustentar minha prole

U – Eu pensei que tu pensavas
Mas tu és cabeça dura
Do oco de baraúna
Nem o diabo te atura
Parece que tu és dele
A mais baixa criatura

R – Eu sou cristão batizado
Por São Cosme e Damião
Na capela de Santana
Rezo e tenho devoção
E no terreiro de Oxóssi
Faço a minha obrigação

U – Tua foice é arma fria
Que corta sem piedade
Quem ordena é teu patrão
Que mora lá na cidade
Tu vivendo na miséria
E ele na vaidade

R – O patrão quer terra limpa
Sem nada pra sombrear
No lugar de imbuzeiro
Plantar capim e zelar
Pra engordar a boiada
Mangote de marruá

U – Por aqui eu já estava
Quando o teu patrão chegou
Neste pedaço de terra
Que por teu avô passou
Deste modesto umbuzeiro
Muito umbu ele chupou

R – Conte esta história direito
Quero saber tudo agora,
O que teve o meu avô
Com esta terra outrora?
Responda com precisão
Pois tudo tem sua hora

U – Esta história é complicada
E posso lhe assegurar
Que seu avô era dono
De todo este lugar
E tirava da caatinga
O que ela tinha pra dar

R – Se meu avô era dono,
O que foi que aconteceu?
Se tinha família grande,
Por que será que vendeu?
Se também ninguém herdou,
Nem mamãe, nem pai, nem eu

U – Não foi venda foi um fato
Que a terra estremeceu
Teu avô foi emboscado
Tomou um tiro e morreu
Da arma do teu patrão
Que mandou tu matar eu

R – Minha foice agora pára
Não corto mais imbuzeiro
Esta terra ainda é minha
E não troco por dinheiro
Vou procurar a justiça
Pra não virar justiceiro

U – Viver muito eu agradeço
Foi a minha salvação
Isso faz cinqüenta anos
Que vi esta confusão
Veio me servir agora
Pra permanecer no chão

R – Não corto mais imbuzeiro
Escreva o que vou dizer
Do imbuzeiro o imbu
Da caatinga o bem-querer
No ronco da trovoada
Ver o mato florescer

U – Estou ficando sozinho
Só se ver pau derrubado
Já se foi a quixabeira,
É fogo pra todo lado
Até a Jurema preta
Tem seu destino selado

R – Minha foice derrubou
Muita jurema e arueira
Pau-de-rato e calumbi
Umburana e gameleira
Pra vender lenha no metro
E fazer compra na feira

U – O que tu diz é verdade
Não sei como aqui estou
No último roçado feito
O fogo me sapecou
Por sorte o vento virado
Pra chuva o tempo mudou

R – Até raiz de imbuzeiro
Já fui pro mato arrancar
Ralava em ralo bem fino
E espremia pra tirar
Água doce e cristalina
Pra minha sede matar

U – Você ainda tem jeito,
Percebe que eu servia,
Te dei água no passado
Também te dei rancharia
Tu namorando na moita
Quando a noite escurecia

R – Fico muito encabulado
Com esta sua intimidade
Isto já faz tanto tempo
Estava na flor da idade
Com a cabocla Rosinha
Eu me casei na cidade

U – Aqui eu vi o passado
Aqui estou no presente
Alimento a bicharada
O bicho temido é gente
Que roça e ateia fogo
Pelas costas e pela frente

R – Eu não pego mais em foice
No mato vou semear
Semente de imbu doce
Do que eu gosto de chupar
Nunca mais faço a besteira
De um Pé de imbu cortar

O umbu foi vencedor
Nesta estória que criei
Que quiser que conte outra
Porque esta eu já contei,
Externando meu desejo
Nas palavras que rimei.

O Autor: Marialvo Barreto, é nascido em Ipupiara, Bahia, filho de Amélia Barreto Cunha e Teotônio Barreto, estudou geografia na UFF em Niterói, professor universitário aposentado da UEFS-Universidade Estadual de Feira de Santana, foi vereador na mesma cidade por 2 mandatos. É escritor, poeta e cordelista. Conservacionista implanta o projeto de Recatingamento na sua pequena propriedade Flor de Alecrim no povoado da Matinha em Feira de Santana .

Chocolate com Umbu

Chocolate com Umbu

Como é possível unir duas paixões tão distintas?

O Umbu é uma fruta tipicamente brasileira, endêmica, por que só nasce no bioma Caatinga. Eu nasci em Seabra, no coração da Chapada Diamantina e centro da Bahia. Desde criança eu ficava sonhando em chegar o mês de dezembro, não só por causa do Natal, dos presentes comerciais, mas dos presentes naturais. Dezembro é mês de umbu e de mangaba, mas, sobre as mangabeiras, serão outras escritas.

Após provar um chocolate de umbu eu senti uma vontade avassaladora de escrever, dentro de mim algo estava pujante, deixei até de ir num compromisso ambiental, por que as palavras estavam me dominando.

Voltemos a infância em Feira de Santana, onde tem umbu, mas são mais tímidos, árvores menores, tinha muito mais cajá, então eu ficava sonhando com a viagem para Seabra na casa de vovó Amélia e chegar na feira e ter aqueles umbus enormes que vinham de Oliveira dos Brejinhos ou da Prata . Quando comecei a andar por Irecê e Jussara, e, descobri a roça de tio Licínio, foi uma paixão avassaladora, cada umbuzeiro digno de batismo e tombamento. Assim como na cidade de Sabará alugam 1 pé de jabuticaba para chupar, deveriam fazer com o umbuzeiro. É tanto umbu gostoso e diferente que fico imaginando a injustiça e tristeza de bilhões de pessoas no mundo que desconhecem este alimento. Partindo desta ótica, eu sou privilegiada demais, conheço centenas de pés de umbu.

Da infância para adolescência, parece aquela passagem de tempo de novela brasileira, mas com uma marca indelével, os dentes manchados de umbu, e desgastados, cada dia os dentes frontais mais deformados e quase sem solução, doíam e muito chupar umbu e tem as técnicas ancestrais de morder o galhinho novo de umbu para a resina proteger os dentes. Fiz tudo isso e faço, mas o desgaste vem.

Nada resolveu, fui até a idade adulta sofrendo com idas ao dentista e as técnicas de chupar umbu com uma faquinha na mão viraram rotina, por que agora sou proibida de morder virulentamente o fruto, é tudo descascado com a faca afiada e colocado na boca com cautela. Andanças e andanças mil, até que me mudo para Ilhéus, para estudar direito. Aqui não tem umbu, aqui é Mata Atlântica e Cabruca cheinha de cacau. Outro fruto entra em minha vida. Mas, na Bahia, tem a história dos ambulantes, então chega umbu nos carrinhos de mão, nas ruas do centro, na feira livre, mas nada se compara a chupar no pé, com aquela casca verde crocante, é uma sensação inigualável, única, um deleite aos ouvidos o “croc croc”, um sabor irresistível do cítrico e do açúcar. Chupar umbu no pé deveria ser atração turística com cobrança de ingresso e ticket.

Belo dia, descubro que meu pai escreveu um cordel com o título : “SE UMBUZEIRO FALASSE”, é uma obra prima da escrita e da poesia popular, Marialvo é geógrafo e chapadeiro de Ipupiara, amante da caatinga e conservacionista. Eu lia o texto e ia me derretendo em lágrimas, sonho em poder musicar e transformar numa peça de teatro, ou numa opereta, é uma obra prima da sociologia rural, das disputas de terra e injustiças sociais no campo e da biologia da conservação, só quem domina muito a língua e o tema é capaz de escrever com tamanha maestria. Sonho que este poema seja conhecido por todo o mundo.

Então a paixão pelo umbu, foi crescendo, pelo prazer do paladar, pela escrita de meu pai, pela importância da árvores no sertão e na ecologia.

E os dentes sofrendo, sofrendo ao ponto de todas as fotos de viagem ficarem sempre com aquele dentinho manchado, de tanto desgaste natural com o cítrico da fruta.

Só que o umbu começou a ter concorrência, a mudança para estudar nas terras grapiúnas de Ilhéus foi ficando mais longa, pós graduação, trabalho, casa própria, casamento, envolvimento comunitário e Cacau entrou definitivamente em minha vida. As viagens para Seabra e Feira de Santana ficaram menos constantes e o fruto ouro foi entrando sorrateiramente no meu cotidiano. É suco de cacau, é mel de cacau, é licor de cacau, é geleia. Mas, o chocolate fino foi bem devagar, a primeira vez que provei foi em 2004 na eleição para reitoria a UESC, o marido de professora Adélia, então candidata, trazia de lanche pra gente, uns bombons maravilhosos. Fausto nem podia imaginar o que fez conosco, despertou sensações únicas, momentos sensoriais impressionantes.

Mas não era fácil de achar e tudo ainda era muito novo neste universo em Ilhéus, a pobreza em face da crise econômica assolava as propriedades e fazendas. Até que um dia fui para um evento regional que se chama Festival do Chocolate, de stand em stand fui conhecendo um universo mágico e daí em diante não parei mais de provar essas “barrinhas”. São aventuras semanais de experimentação, até que na loja da Dengo onde vende multimarcas, me deparei com uma barrinha de Chocolate 70% e Umbu. A curiosidade foi imediata, oxe? como assim ? como pode ? quem faz ? quem criou ? quanto é ? como é ? da onde vem ? cheguei em casa e fiquei olhando a embalagem até decifrar este mistério, e bote oxe? melhor oxe oxe oxe, a gente repete 3três vezes.

O nome da barra é Mission Chocolate. Não sei nada sobre a marca e os idealizadores e isso que me encanta, escrever no escuro, não vi nada nas redes sociais, não li, não estou sugestionada, posso falar com pureza.

Eu já tinha algumas preferidas e agora aumentou a listinha das prioridades. Assim como Umbu é uma espécie funcional de grande relevância ecológica, esta barrinha ganhou grande relevância no meu universo particular de deleite.

São quadrados de geleia de umbu milimetricamente adicionados na barra, como uma obra de arte geométrica. Não sei quem criou isso, só sei que biologia da conservação é matemática, é cálculo, é estudo. Chocolate fino também, é o que vi e senti, até a embalagem é de uma delicadeza artística elaborada.

Um fruto amazônico e outro catingueiro, um fruto doce e outro ácido, um fruto da abundância de água e outro da escassez, um fruto de casca dura e outro de pele tenra, um fruto de sombra e outro de sol, e nesta dicotomia de frutos protegidos por povos ancestrais que se unem duas paixões que carrego em minha alma. Cacau e Umbu. Um muito obrigada às mãos talentosas que fez este chocolate que parece ser uma missão de vida como diz o nome da marca que acabei de conhecer.

Sobre os dentes? Ainda bem que surgiu a tal da faceta de resina e agora posso morder umbu de novo no pé, paixões preservadas pelo ecossistema e pela minha dentista.

Leia também : Ode ao Mel de Cacau – poema lírico e neoparanasiano sobre o líquido precioso e raro

Ilhéus precisa Renascer– crônica sobre conjuntura política e a nova versão da novela da Globo

A decadência extrema– crônica sobre o centro histórico de Ilhéus e suas vivências

O que não te contam sobre o Jalapão

O que não te contam sobre o Jalapão

Por favor entendam que este post não é sobre o território do Cerrado brasileiro, o Jalapão e todos os seus municípios e povos tradicionais são lindos, exuberantes e de uma beleza estonteante, estou ansiosa para ir de novo.

Tanto tempo viajando pelo mundo e vacilei em fazer pouca pesquisa, a minha bronca é sobre o marketing e sobre agências “famosinhas”. Sabe aquele post da “brogueirinha” ??? da influencer ?? é tudo fake, ou melhor pode até ser verdade , mas este tratamento que você NÃO terá.

Antes de tudo deixa eu esclarecer que sou da Bahia, do interior, acostumada com roça, com mosquito, com estrada de chão, acostumada em tomar água de pote e colher fruta do pé. 100% sem frescura, mas … tudo tem o massssssssssssssssssss… quando você paga por um serviço “vip” “sem limite” é isso que você imagina receber e não, não vão te dar.

Eu não vou citar nomes de empresas. Senti exatamente o que meu cunhado me falou, é MUITO CHÃO PARA POUCO PASSEIO. Você vai ficar horas e horas sacolejando no carro e ficar apenas 15 minutos em 1 atrativo, isso se em seu carro não estiver num grupo tão mau humorado, que nem do carro desce e se você não insistir, nem entra nos lugares. Isso mesmo a pessoa anda 2 horas de carro numa estrada de chão e quando chega no atrativo desiste, por que está cansada.

Ao que parece a maioria das agência CRIAM A DIFICULDADE para te vender a FACILIDADE. Inventam que é impossível andar pelo Jalapão sozinho e isso não procede, precisa de guia e é fundamental, mas custará mais barato contratar um particular e desfrutar bem cada cantinho do que ficar na paranoia de agência.

Vamos lá.

Eu estava de Jeep, eu avisei na agência, eu disse que ia da Bahia, melhor de Seabra para Palmas de carro e eles me convenceram que deixar o carro lá na capital e fazer 05 dias de roteiro era o ideal, por que os grupos saem todos da “base”.

Daí na ida sabe o que descobri ???? Que a Lagoa do Japonês , município de Pindorama, estava no meu caminho, ou seja, no primeiro dia da ida para Palmas, eu MESMA PODERIA TER ENTRADO via TO 130 , curtido o passeio, almoçado (um peixe que parecia ser delicioso, e curtir o dia. A lagoa não é lugar para apenas tirar foto em barquinho transparente não. É um complexo de lazer, tem tirolesa, tem restaurante, a lagoa é grande, tem sorveteria, é bom para criança passar o dia inteiro. Eu fiquei apaixonada e com muita vontade de ficar. Essa foi a primeira furada. Quando vi as placas no caminho chega fiquei roxa de não ter ido por conta própria.

E só ficamos 1 hora, ô raiva, vocês tem noção que andamos 04 horas de ida, 04 horas e meia de volta para Palmas e só ficamos lá 1 hora . Pior se você ficar nos bancos do fundo da Pajero, sim, são 06 passageiros e vc fica lá apertado, morrendo e sacolejando muito. Parece que as pessoas se satisfazem apenas com fotos produzidas e nada mais importa.

Eu estava de carro, carro bom, 4x 4, eu avisei aos miseráveis e ainda assim eles me dissuadiram : “é longe, seu carro pode quebrar, com agência é mais seguro”, eu cai nessa BALELA. afff

Segunda furada, o seu grupo terá mais 05 pessoas; olha, se você não está com amigos, você vai num grupo estranho, vai ficar horas e horas no carro, vou repetir : sacolejando, e se as pessoas forem reacionárias, vocês está lascado literalmente, ouvir aberrações durante 05 dias é traumatizante. Repito, mesmo que tenha revezamento, você vai ter de ir durante um período nos bancos do fundo, entrar e sair é bem chato. A coluna e as pernas sofrem com o aperto. Leia o contrato, e não seja enganado.

Terceira furada, esse negócio de all inclusive; ô santo deus, cada lugar legal para comer, cada cantinho charmoso e não podíamos parar por que não estava no pacote das agências. Comida caseira é uma delícia, amei a comidinha, mas experimenta serem iguais 10 refeições, almoço e janta , seguidamente. No último dia a gente foi comer hamburguer, barato e delicioso. O jantar do Reveillon foi sofrível, mesmo comida simples, a pousada não sabia fazer não, o lombo estava igual um pau de tão duro e a sobremesa até estava gostosa mas acabou logo. Os lanches não tinham nada de saudáveis e os almoços não tinha nada de típico, nem um arroz com pequi.

Por exemplo, em Mateiros tem o Mama Cadela e no Parque Estadual do Jalapão, onde amarram as fitinhas tem um bar transadissimo com música ao vivo e não podíamos parar no Recanto das Dunas. Ahhhh, que falta fez nosso Jeepinho para ter liberdade e autonomia, se seu carro tem seguro, baixe os mapas off line e vá.

Quarta furada: os hotéis. Você chega lá e descobre que tem fervedouros com pousada ao lado, que tem entrada exclusiva para os hóspedes sem filas, como Formiga Ecolodge e a Pousada e Fervedouro Bela Vista; ficaria ali facinho , facinho. As pousadas escolhidas por nossa “agência dos famosinhos”, a porta era tão fina que a gente ouvia tudo , corredor, etc, torneira e chuveiro pingando e no reveillon tiveram de pegar as cadeiras da Prefeitura, com certeza “emprestadas”, porque não tinham cadeira suficientes pra festa, o DJ a gente ria de raiva ou de vergonha por ele mesmo, mas abstraímos, não era simples, era sofrível, eu ri muito da situação.

Quinta furada: a Lagoa do Japonês no último ou primeiro dia, é muito chão para pouco passeio, lugar é lindo, vale passar o dia inteiro. Outra coisa : não é Jalapão, é longe mesmo e os roteiros amarrados e vendidos por 100% das agências deixam de fora o Cânion Encantado em Pindorama, mesmo município da Lagoa. E o almoço poderia ser na Lagoa, víamos a Costela de Tambaqui passar lindíssima e cheirando bem e sequer dava tempo de almoçar, nem tomar cervejinha, imagina ir sacolejando, se optar por agência, tome seu remedinho.

Por favor não façam Taquaruçu com agência, são apenas 32 km de Palmas , vale alugar um carro e ir curtir 2, 3 dias, bem tranquilos, restaurantes deliciosos como o Babaçu e a Pousada da Aldeia, um primor, fizemos tirolesa, jantamos bem, café da manhã delicioso, massagem no Spa Capim Santo, nada disso vivenciaríamos com agências, que faz tudo cronometrado. Ficamos na vontade de conhecer as dezenas de cachoeiras.

Sexta furada, o roteiro engessado, sequer visitamos territórios quilombolas para interagir com a comunidade, não tivemos experiências proveitosas, somente nos levaram na lojinha de capim dourado e tchau. Que horrível, ao tentar conversar com a proprietária, uma artesã quilombola super gentil e com vasto conhecimento, todos do carro ficaram de cara feia pra mim, com “pressa para ir pro hotel”, ou seja, você não vivencia nada, só a distância e chão no lombo.

Então senhores, se vocês forem no meu Instagram, não tem menção nem marcação da fadada agência, não é meu objetivo detratar, mas informar que sim, tem AGÊNCIAS QUE SE SALVAM, EU FIQUEI observando, e achei a Cerrado Dourado e a Jalapão Expedições muito mais honestas pelo que vi lá com os clientes, e no insta deles. O cuidado ao falar de cada comunidade e sobre a cultura. Não, eles não sabem que eu estou aqui fazendo esse desabafo e nunca os vi nem pintados de ouro. É apenas para dizer que no meio desse turbilhão de decepções existem pessoas sérias. Engraçado que ao conversar com uma “amiga da vizinha da roça”, ela me disse a mesma coisa, trabalhou lá e ficou horrorizada com a politica das agências, que é “criar dificuldade para vender uma suposta facilidade”.

O que eu faria de DIFERENTE, assim como minha colega Evelyn foi para o Atacama por conta própria e desmistificou para mim o turismo de aventura com autonomia e alugando carro, eu faria o seguinte: CONTRATARIA um guia local que pouquíssimo na diária e a gente fez um caixinha de gorjeta. Mesmo com gasolina, pagando o guia por 4 dias, mesmo pagando a hospedagem do guia e os almoços, ainda assim, sairia mais barato do que o pacote de Reveillon que foi um engano, “ceia de Ano Novo, DJ e 1 champagne”, nem vou postar as fotos para que vocês não reconheçam o lugar, eles não tem culpa.

Jalapão é lindo, é um destino bem rústico e o Tocantins está se capacitando e investindo em Ecoturismo, mas infelizmente sempre tem empresas que abusam dos turistas. Para os influencers uma viagem inesquecível, eu VI COM MEUS OLHOS, só 2 pessoas no carro, máximo 4, super confortáveis, entravam primeiro na fila dos fervedouros para fotos e para os abestalhados que pagam a viagem, um guia/motorista que chamou os quilombolas de “preguiçosos” e o reveillon chegou mais cedo viu… hablei miesmo. Mas foi o guia de outro carro, contudo da mesma agência.

Vou deixar o nome e telefone de Kenner, guia quilombola que pode te ajudar em roteiros personalizados, e sim, baixando os mapas off line no seu celular , dá para fazer tudo, sabendo que as cidades lá são bem minúsculas e longe uma das outras . Kenner 063-992147581. No instagram colocando #guiajalapao você encontra outros profissionais autônomos.

Por favor não desistam de visitar o Jalapão, o meu erro foi ter pesquisado pouco e o algoritmo só me levava para as publicidades das agências, leiam blogs de gente real, de pessoas comuns, para depois tomar sua decisão. Eu estou doidinha para voltar e na época que não chove e com amigos para ficar bem legal os deslocamentos.

Ilhéus precisa Renascer

Ilhéus precisa Renascer

A noite desta segunda-feira, 22 de janeiro foi emblemática na cidade, telão na praça e grande expectativa para o primeiro capítulo da nova versão da novela Renascer da rede Globo. Uma novela tem uma preparação gigantesca antes de ser exibida. O texto original de Benedito Ruy Barbosa foi adaptado pelo seu neto, o também escritor Bruno Luperi. Para renovar e dar ar contemporâneo à narrativa, ele esteve no Centro de Inovação do Cacau- CIC , ou seja, ele foi beber da fonte da ciência, e ciência se faz com pesquisa, ensino e extensão.

Aqui estou há duas décadas, como uma ilheense de direito, pois recebi o título de cidadã, e,  também fiquei em casa na grande expectativa; quando adolescente já amei a primeira versão pois meus pais já eram leitores vorazes e apaixonados por Jorge Amado, mas morando no sertão de Feira de Santana, tudo aquilo que via na tela era um mistério: barcaça?  mel de cacau ? lida ? banderar cacau? secador ? cabruca ? que palavras eram essas ?

25 anos depois, um curso de Direito cursado dentro da UESC, a Universidade Estadual de Santa Cruz,  no Meio da Mata Atlântica e da Cabruca, ativista ambiental e terminando um mestrado de Conservação da Biodiversidade, assisto a novela com mais entusiasmo ainda, um encantamento que toca fundo, pois agora respiro ares grapiúnas e compartilho as dores e desafios do povo sulbaiano.

  Um trecho da fala do José Inocêncio jovem marcou-me na alma : “a gente não vai seguir a cartilha do governo, a gente vai seguir a cartilha da natureza”. Essa frase é disruptiva e pra quem vive em Ilhéus faz todo o sentido.

As cartilhas dos governos tendem a menosprezar a ciência, vilipendiar a natureza, descumprir regras clássicas dos direitos humanos e depois afirmar que todos os problemas ambientais são de “força maior”.

José Inocêncio fará sua fazenda Renascer, pois mudou suas ideias e ideais. Ideia errônea de que a natureza seria um recurso para ser extraído e não um ambiente a ser regenerado. Ideais para que a cultura do cacau não entre mais em colapso.

E colapso é bem o que o governo de Ilhéus sabe fomentar. Menosprezando que a cidade está no Bioma Mata Atlântica com alto índice pluviométrico, alta biodiversidade de fauna e flora, vilipendiando todos os conceitos de urbanização e mobilidade sustentável, descumprindo regras básicas de gestão e administração pública, a noite de RENASCER, foi um parto de horrores com as CHUVAS levando o pouco da dignidade que ainda nos resta.

Sem IDEAL, para adequação que leve à resiliência urbanística, são anos e anos de enchentes, dor e tormento. Um looping infinito de descaso, palavras vãs e  insuficiência de ações do poder público. Inação é a palavra mais exata. Enquanto os coronéis de Renascer são gladiadores pelo poder em si mesmo, autofágicos, destruidores de reputações, na vida política contemporânea, a diferença é que podemos assistir o espetáculo em tempo real pelas redes sociais, novos e velhos nomes sem qualquer IDEAL, sem qualquer ideia que agregue.

A ideia da ciência ambiental não é lutar contra o bioma, ao contrário, temos  de nos adequar às suas especificidades, com soluções baseadas na natureza, contudo uma cidade que sequer limpa seus bueiros e canais pluviais, não consegue falar em inovação.

Colapso, caos, chuvas, enchentes, lágrimas de famílias arrastadas pela lama, alma enlameada, depois do 1º capítulo da novela na segunda, vem o 1000º capítulo das chuvas na terça. É um looping infinito de desespero, de impotência, um mal estar generalizado.

A sensação é que a política de Ilhéus tem de morrer de morte morrida ou matada, para depois RENASCER sobre um frondoso tronco de Jequitibá e que Yroko abençoe essa terra adubada de sangue.

Jurema Cintra Barreto

Advogada e Ativista ambiental

Leia também: Mulher viajando sozinha ?

Os que não queremos ver

ENGENHO – Café Charmoso em Ilhéus

ENGENHO – Café Charmoso em Ilhéus

Quando alguém me chama para tomar um café , ou seja, bater um papo, conversar, eu dou risada, por que eu não tomo a bebida, desde criança não agrada meu paladar.

Mas… eu adoro ir em cafés em todas as viagens para comer tudo que tem lá, chás, chocolate, tortas, salgados, enfim, as guloseimas.

Ilhéus tem um café charmoso e bem especial, eu gosto muito do atendimento do Engenho Bueno Café e Bistrô, e mais ainda, eles preservaram o patrimônio arquitetônico, é uma casa linda do início do século XX, toda conservada com pé direito altíssimo, que demonstra o auge da riqueza do cacau que agora está retratada novamente na novela Renascer da rede Globo e que Jorge Amado tanto falou em seus livros. Ilhéus tem uma sanha destruidora de casas antigas que só a psiquiatria pode responder, é cada imóvel lindo que está caindo aos pedaços e tem até processos na justiça para punir os gestores públicos que deveriam cuidar e nada fazem,

O Engenho fica na Avenida Soares Lopes, super fácil de chegar andando ou de carro. Quem está vindo pelo porto, é rapidinho.

Na entrada você já se impressiona pela grandiosidade da casa.

O balcão de tortas é sensacional, quer comer um bolo bem confeitado e receitas super elaboradas ? É no Engenho.

Eu amo a Torta Marta Rocha com um chazinho. A Ferreiro Rocher também é divina, e de bolo eu entendo viu, é um vício, malho para isso, comer gostoso.

E acredite, tem muita doçaria em shopping que quando a torta chega está ressecada, dura e é puro açúcar. No Engenho não, a torta Marta Rocha é meu xodó.

Tem cafés especiais e baianos, isso é tão bom, valorizar os produtores locais.

E olha o ambiente das mesas … É tudo um charme. Serve almoço executivo com bom preço.

Acho ótimo sair do escritório, ir no café Engenho, comer gostoso e pegar um cineminha mais cedo, que é bem ao lado. E vai sair o post sobre Cinema de rua em Ilhéus, nosso CINE Santa Clara, que é um patrimônio cultural. Eu detesto entrar em shopping para ir ao cinema, o preço é uma fortuna, e só consumismo, gosto mesmo é curtir o filme. Esse mês assisti Mamonas Assassinas e foi massa, mês passado assisti GAL.

Os sucos são muito bons também, bem encorpados, tudo no Engenho é feito com produtos de qualidade, recomendo. E não é publi, que este site é independente, eu sempre vou lá como consumidora mesmo, os donos são bem gentis, eu sou advogada e as menções aqui são minhas avaliações pessoais. Sonhando ainda com convites e patrocínios …. kkk um dia a publi chega não é mesmo.

Saiba mais : FAQ Ilhéus – tudo que você precisa saber antes da sua viagem

Onde foi gravada a Novela Renascer ?

10 lugares imperdíveis em Ilhéus

Caruru e Vatapá em Ilhéus – sim senhor

Caruru e Vatapá em Ilhéus – sim senhor

Você sabe que QUEM COME QUIABO NÃO PEGA FEITIÇO ??? É um provérbio africano e o quiabo é um fundamento do candomblé, religião de matriz africana tão relevante na constituição de nossa baianidade. O modo de cortar o quiabo, a forma de cortar, a forma de comer, tudo é sagrado. Quiabo está na dieta de minha família paterna desde sempre e eu carrego isso.

Eu amo quiabo em todas as suas versões, quando eu estava no Caribe achei quiabo estrelado nanico e claro que comprei e cozinhei gostoso lá em Curaçao.

Quiabo no vinagrete, cozido no vapor, com um fio de azeite, quiabo grelhado, cortadinho de quiabo com carne seca ou com abóbora, tudo é bom demais.

Só que o Caruru é imbatível, essa receita ancestral que tanto amamos na Bahia, um tal site gringo colocou o Caruru, como a 9 pior comida Bahia, eu quase morri, mas os votantes deve ser tudo gente estranha que peja feitiço mesmo.

E se você vai passear ou morar em Ilhéus, venha logo provar essa delícia. Fazer em casa é aquela trabalheira, geralmente eu como na rua, e vou elencar os meus preferidos:

1- BERIMBAU

É uma lanchonete, mas tem comida à kilo meio-dia no almoço, é apertado, mas aconchegante, só pedir que funcionária consegue sua vaga, e a graça tá aí, se misturar aos locais, é toda SEXTA-FEIRA, VIU … comida sagrada tem ritual.

CARURU/VATAPÁ/ARROZ BRANCO E GALINHA COZIDA … TÁ… VOU ABRIR EXCEÇÃO PARA MOQUECA DE PEIXE E SÓ ….

Pede uma Coca-Cola para “rebater” … kkk, sim, amamos comer comida baiana com Coca Cola, é isso, faz parte dos hábitos modernos. Eu não sei quem é a cozinheira que trabalha lá, só sei que é uma delícia, é um caruru e vatapá de primeira qualidade, sempre que vou peço para garçonete avisar à equipe da cozinha que estava delicioso, um reconhecimento do talento de mulheres e homens que carregam esse conhecimento ancestral. Gentileza gera gentileza também.

Fica no Centro Histórico no Calçadão da Marquês de Paranaguá e combina perfeito com o City Tour com meu amigo Gregório (073-99869-2144

2- ENE Gastrobar

Fica ali na frente da Ponte estaiada Jorge Amado, perfeito para comer vendo a Baia do Pontal e o mar brilhante , eu gosto demais da comida de Ene, aquela culinária afetiva, caseira, cheia de amor, ela é muito gentil e serve quentinha Anota aí o número : 073-99159-6650. Lembrando que a tradição é quentinha de caruru com moqueca/peixe, ou com frango cozido. Amo um delivery de caruru bem feitinho. Enegastropub também está no Ifood, isso aí que é modernidade para comer Caruru na Bahia.

Onde foi gravada a Novela Renascer ? Conheça as locações.

Onde foi gravada a Novela Renascer ? Conheça as locações.

Que tal fazer um viagem turística inspirada na Novela Renascer que está ganhando um Remake? Na década de 90 a cidade de Ilhéus bombou de turistas querendo conhecer esta terra rica do cacau, e isso marcou a vida de muitos espectadores, atores que ficaram muito famosos e moradores.

São 30 anos de mudanças, principalmente econômicas, mas o trailler da novela já nos dá sinais e aqui no blog tem tudo explicadinho sobre os locais turísticos que vão estar na telinha, eu sou advogada, moro em Ilhéus há 25 anos e vi tudo com meus olhos, afinal a equipe estava pertinho de nosso escritório.

Que tal passear no centro histórico de Ilhéus , a casa de Jorge Amado, Vesúvio igual os atores? Clique aqui e saiba tudinho.

E provar comida árabe no Vesúvio igual Marcos Palmeiras, melhor igual Zé Inocêncio e Mariana ? Clique aqui

E aquela praia e restaurante deslumbrante onde Zé Inocêncio e Mariana tem um encontro romântico com pratos lindos na mesa, comida exuberante e música ? Clique aqui e saiba tudo sobre esse restaurante com chef famosa e um paisagismo de cair o queixo.

Tudo na primeira fase se ambienta em muita natureza na Mata Atlântica, aquela cena linda dos barcos … sabia que você pode passear por aquela lagoa e ter a mesma sensação dos atores ? Clique aqui e saiba onde está aquela água mágica e encantada.

Os atores estão tomando Mel de Cacau na Cumbuca do fruto, você sabe que bebida mágica é essa ? Clique aqui e descubra esta delícia que você só pode provar no Sul da Bahia.

E claro, você quer visitar as Fazendas de Cacau do Coronelzinho ??? Clica aqui e conheça as mais famosas

Ficou com vontade de conhecer Ilhéus? Nosso site tem muito conteúdo sobre Sul da Bahia

No Instagram @juremacintra, você conhece o dia-a-dia de nossa cidade, segue lá.

10 Lugares Imperdíveis em Ilhéus – cidade da novela Renascer

10 Lugares Imperdíveis em Ilhéus – cidade da novela Renascer

Você não pode deixar de visitar:

1- Catedral de São Sebastião

2- Fazenda Capela Velha

3- Lagoa Encantada

4- Praias do Sul e Praias do Norte

5- Rio do Engenho

6- Restaurante Morro dos Navegantes

7- Cacau do Céu

8- Loja DO CACAO

9- Mercado de Artesanato

10- Casa de Jorge Amado

Aqui em nosso site falamos de cada pedacinho de Ilhéus, tudo mastigadinho, você que amou a novela Renascer de 1993 , vai se apaixonar por cada cantinho da cidade onde foi gravado o Remake com Marcos Palmeira, Humberto Carrão e elenco incrível.

Clique aqui e saiba tudo para planejar sua viagem, este link é o FAQ Ilhéus, perguntas e respostas bem objetivas.

Deixa eu te pedir uma coisa, gostou deste post, envia para seus amigos e curte nossa página no Instagram: @juremacintra

Comida árabe em Ilhéus – a paixão da quarta-feira

Comida árabe em Ilhéus – a paixão da quarta-feira

É super tradicional em Ilhéus a comida árabe, tivemos migração de povos da Síria, Turquia e Líbano, isso bem retratado nos livros de Jorge Amado como Terras do Sem Fim, Gabriela Cravo e Canela e A descoberta da América pelos turcos, São Jorge dos Ilhéus, vale a leitura, além claro de diversas produções científicas de egressos da Universidade Estadual de Santa Cruz- UESC, onde estudei Direito.

Uma história interessante que precisa ser contada e celebrada, que faz parte do amálgama Grapiúna, nem todos os guias exploram este potencial como produto turístico. A culinária e gastronomia trazem esses marcos culturais. Desde que cheguei aqui, na primeira viagem para fazer vestibular, fui no Sheik, que era numa casa linda no Outeiro de São Sebastião, hoje uma casa residencial, e fiquei apaixonada, nos autos de meus 19 anos, nunca tinha provado nada além de Quibe, e, AMEI.

Chegando aqui, definitivamente, para morar, descobrir os cantinhos interessantes e visitas nas casas dos amigos, cada delícia de morrer de gula, um universo mágico se abriu para mim, existem estabelecimentos em vários bairros.

Antes tinha buffet árabe no Iate, já falei aqui, mas parou por causa da pandemia e sinto falta, não deixem de conhecer o cardápio de lá, que o ambiente vale muito e é aberto ao público geral.

Eis que o Vesúvio, bar de 1919, famoso pelo Livro Gabriela Cravo e Canela, polêmico entre os moradores tradicionais da cidade, eis que este mesmo Vesúvio adota o buffet à kilo no horário de almoço e na quarta-feira é árabe !!!! Além das variedades, para todos os públicos, inclusive veganos e vegetarianos, tem a parte de comida árabe.

Amo quibe cru, tabule, pasta de grão de bico e coalhada seca, geléia de pimenta doce, charutinho, carneiro e pães sírios. Tudo é tão bom, arroz com lentilha, quibe de forno, kafta, se você não conhece, peça ajuda ao garçom ou as ajudantes, as vezes penso que certas comidas deveriam vir com manual de instruções …(caranguejo mesmo). Um dia na fila fui dizendo o que era cada coisa para a turista, no final , ela veio na minha mesa agradecer, amou tudo e sem eu ter dito, ela disse que passaria ser provar, iria no tradicional “feijão com arroz”, e fico a pensar o quanto a gente não está disposta a mudar, a provar, a se abrir ao novo, a conhecer, o quanto nos fechamos na zona de conforto esquisita.

Comida árabe no Vesúvio

Tem quarta feira que estou lá sentadinha sozinha e fico só vendo os turistas pedindo La Carte, me dá um nervoso, o garçom não avisa .. sei lá, um dia me intrometi mesmo, como boa baiana, que roda a saia: EU MOÇO, DEIXA EU TE FALAR , HOJE É BUFFET ÁRABE MARAVILHOSO, COMA BEM E MAIS BARATO, por que eles iam pedir batata frita e carne gente … me poupe, ou me poupo mesmo, que não tenho nada haver com as escolhas alheias, mas por vezes é falta de informação TURÍSTICA. Sim, culinária e gastronomia é o turismo no esplendor de sabor.

Juro que uma amiga passou 10 dias nos EUA e disse que estava com saudade de comida brasileira, eu quase morri. Ela estava em Orlando, onde tem culinária do mundo inteiro e só comia hambúrguer com batata frita, deve dar saudade mesmo … mas não é por que a comida de Orlando é ruim, é por que ela não foi no mercado, não cozinhou, não foi em food truck, não foi em restaurantes badalados na Disney, não parou de surpresa num bairro, ela não inovou, não se abriu, então come mal. me julguemmmmmm ahhhhhhhh

Voltando ao Vesúvio, é comida no kilo, então peguem pouco e depois repitam e tripitir tá valendo … kkk, amo muito repetir comida árabe, dá para tomar um chopinho e desfrutar no kibe cru, e ir indo … até chegar no carneiro e arroz com lentilha.

Não deixem de provar os drinks de Mel de Cacau, já falei aqui o que é essa bebida dos deuses ou o Suco de Morango com Laranja, delicinha e instagramável.

Deixo a fotinho da nota fiscal e lembre-se de pedir para colocar seu CPF e gerar cupons no Programa Nota premiada da Bahia. Além disso que sempre pego Nota fiscal em todo lugar que passo, e quando sou turista ainda mais, para gerar divisas no local, pedindo a nota no hotel, posto de gasolina, etc, geramos impostos para o Município e isso movimenta a economia local.

Estando em Ilhéus comam comida árabe

Leia também : Tudo que você precisa saber de Ilhéus – FAQ Ilhéus

Comida baiana em Ilhéus

As melhores moquecas de Ilhéus