Restaurantes e sustentabilidade

Restaurantes e sustentabilidade

por Jurema Cintra Barreto

advogada e amante de viagens


 

Viajo muito devido o trabalho e também por que gostamos. Olho os restaurantes em redes sociais, visito por indicação de amigos ou matérias em jornais e revistas e alguns é por sorte ou azar mesmo.

Como pratico agricultura urbana em casa me chama logo atenção quando vejo uma horta ou Pomar nos restaurantes.

O primeiro que me despertou para esta questão da Sustentabilidade foi o Paraíso Tropical em Salvador. O chef de cozinha e proprietário é o Beto Pimentel, seu rosto é famoso em revistas, programas de televisão e na cena soteropolitana. Então vamos começar por ele, passo aqui a analisar as hortas e o cardápio sustentável de cada um.

PARAÍSO TROPICAL– Salvador

O restaurante fica no Resgate em Salvador. É um escândalo do início ao fim. Desde o cardápio ultra-mega-super diferente ao ambiente. É um sítio e tudo vem dali e da Fazenda do Beto Pimentel, engenheiro agrônomo por profissão, chef de cozinha por convicção. Indo para o banheiro dá para ver uma iguaria baiana: o Biribiri, fruta azeda utilizada de diversas formas na culinária, desde um suco à conservas e moquecas. Você pode almoçar sobre um lindo pé de jabuticaba florindo ou produzindo a depender da estação.

foto-site oficial do restaurante paraíso tropicaç

foto-site oficial do restaurante paraíso tropical

Tudo, tudo no Paraíso tropical leva Biribiri e é muito bom. Pratos típicos repensados em seus nomes, aromas e combinações nos deixam com vontade de provar o cardápio inteiro. Começo com a fritada de Maturi(deve ser pedida junto com a reserva pois demora 1 hora), ao Dandá de Camarão, Sucos Sólidos e a sobremesa é uma surpresa a parte. Uma gamela com frutas da época, então sempre virá combinações diferentes durante o ano e é servida após o prato principal sem custo adicional. Frutas, cana cortada, doce de banana na palha e sacolinhas se você quiser levar o que sobrou. Toda essa fartura também vem da Fazenda do Beto Pimentel e se você der sorte peça para falar com o chef que é uma simpatia e uma escola viva da sustentabilidade. Sim, não é barato comer lá, mas o preço é absolutamente justo ao serviço e à proposta.

 

EMPÓRIO BAHIA – Itabuna

Não é só nos grandes centros que os empresários estão preocupados em sustentabilidade. Em Itabuna, no Sul da Bahia o restaurante Empório já um dos mais conceituados, basta ver sua excelente avaliação no Trip Advisor, mas quem chega no local nem sempre rapara ao seu redor. Logo no estacionamento de carros, vemos uma

horta orgânica

horta orgânica

grande tela de cobertura ao fundo, lá está uma bonita horta orgânica de onde vem todas as ervas e alguns legumes fresquinhos. É a proposta Da horta-Ao prato. Alface, rúcula, tomate cereja, manjericão, salsa, cebolinha, couve e algumas ervas medicinais. No almoço o prato executivo é BBB, bom, bonito e barato pois a proposta- combo, preço único incluído entrada, prato principal e sobremesa, agrada ao bolso e ao paladar. Tudo que você come vem direto da horta e mais, as garrafas de vidro dos vinhos são destinadas a projetos de artesanato na cidade de Itacaré.

 

 

A TOKA DO BODE– Itapebi

Capital, grandes centros, médias cidades e as pequenas também estão aderindo ao conceito de sustentabilidade.  Às margens do imenso e degradado Rio Jequitinhonha, está Itapebi, apenas 60 km antes de Eunápolis, fica na beira da BR  101. Município pequeno, mas que conta com uma Usina Hidrelétrica grande. A cidade baixa mantém um importante acervo arquitetônico.  Itapebi é visitada pelos proprietários de grandes fazendas,  pelos funcionários da hidrelétrica e das usinas de celulose em seu entorno. Na cidade alta, ao lado da Pousada do Pira está um pequeno restaurante, grandioso em seus pratos. A Toka do Bode é comandada por Adebônio, um ilustre morador que mantém uma bela horta nos fundos do estabelecimento. É manjericão, hortelá, cebolinha, coentro, quiabo, tomate e alecrim. Como Itapebi abate muito gado e sua pecuária é forte, a Picanha acebolada é fantástica. O nosso prato preferido é sem dúvida  a Galinha Caipira que é feita sob encomenda prévia (73-99984-1826)  e vem acompanhada de pirão, arroz, feijão tropeiro, macarrão e salada.

Se pode sentir todos os temperos frescos e orgânicos na galinha que só de falar esta escritora já está com água na boca. Sempre que lá estou para trabalho não deixo de forma alguma de reservar e comer a famosa galinha de Adebônio. O dono também é  agricultor urbano e cuida de sua horta com primor. Simples mas produtiva. A cidade fica 4 km da entrada da BR 101, chegando no Centro, na avenida principal qualquer pessoa poderá informar onde fica o restaurante, interior tem dessas coisas maravilhosas, todos se conhecem.

Não basta apenas comer, é preciso ter experiências, sensações, aquilo que ficará em nossa memória afetiva e gustativa. Sem dúvida comer no Paraíso Tropical, no Empório Bahia e na Toka do Bode além de ser gostoso e saudável é um ato recheado de lembranças.

Quer mais dicas sobre restaurantes  sustentáveis? Então siga nosso Snapchat @falecomjurema

As impressões deste artigo são pessoais e não tiveram qualquer tipo de patrocínio dos estabelecimentos citados.

O velho e tranquilo Soares

O velho e tranquilo Soares

Crônicas de ITABUNA. por Jurema Cintra Barreto

O velho e tranquilo Soares parece que sempre esteve ali, na praça Olinto Leone, mais famosa como praça do Banco do Brasil. Era uma churrascaria com aquelas cadeiras vermelhas de cervejaria bem arranhadas pelo tempo. Bêbados diurnos, boêmios, idosos e jogadores do bicho se aglutinavam. Lá dentro, quase uma catacumba, era escuro e grande. A comida sempre foi boa, sabor e churrasco. Existiam aquelas figuras típicas que batiam o ponto lá, a boemia pode ser um trabalho árduo, presença constante, amizades a se descobrir e contas para pagar. Algumas coisas inconfessáveis já ocorreram lá, dizem as boas línguas dos amigos. Belo dia, dezenas de tapumes esconderam toda aquela confusão visual em pleno Centro. A churrascaria Soares dividiu-se em duas partes. Uma cinzenta loja de utilidades que fechou e agora é Pet shop. A modernidade tenta a todo custo acabar com a boemia através das mais ardilosas formas capitalistas de ser, colocar ração no lugar dos típicos e atípicos personagens urbanos, como pode? A salvação ainda era possível. Soares ressurge das cinzas, a outra metade dividida vira o restaurante à kilo da família, comida boa demais, o tempero e comida sempre foi bom, a questão era o ar de tumba descoberta do século XVII.

  
O velho e tranquilo Soares ainda está ali assando suas carnes, na grelha toda metida à chique ao invés daquele forno engordurado de outrora, mas ele está lá.

Suas filhas na cozinha, o suco de coco verde para nos lembrar que aqui é a Bahia, arquitetura leve. Parece como qualquer outro restaurante à kilo na cidade mas observando bem não é em todo lugar que podemos relembrar tantas histórias. Vou almoçar tarde e logo reconheço os saudosistas: aquele homem de cabelos brancos quase cinza tomando uma cervejinha na mesinha do canto. Vejo os olhares maledicentes e raivosos de algumas senhoras “da sociedade” que exprimem seu rancor, afinal onde estaria a moral da família itabunense? Vejo os familiares de Soares nestas tardes de almoços fora de hora. Vez em quando aquela senhora idosa, toda arrumadinha sendo paparicada, só pode ser a matriarca. Meu estômago sente, meu coração também. Avô, filha, netinho sapeca, funcionários atenciosos e amorosos com a esquisitona das duas da tarde. Pergunto logo se sobrou alguma coisa para mim. Logo vem os sorrisos. A praça continua lá com suas folhas secas no chão.