por Jurema Cintra

advogada e amante de viagens


E depois de uma sexta-feira de uma imensa e histórica greve geral no país,  nos restava descansar e aproveitar o que a região Sul da Bahia tem de melhor: suas belas paisagens.

As vezes, e muitas vezes, o morador local não explora tanto sua cidade e sua região. Moramos agora em Ilhéus e nunca tínhamos ido à Taboquinhas, distrito de Itacaré; e lá fomos nesta aventura num dia de sábado. Este passeio também é perfeito para quem está em Ilhéus e quer fazer um bate-volta.

Ao procurar no Google sobre Rafting, apareceu algumas agências, a que achei mais organizada foi a Ativa Rafting. Então, acertamos de primeira, que bom!!!

Procurava no tripadvisor algum lugar diferente para visitar e aí não é que lá mesmo em Taboquinhas tinha o Vila Rosa.  Acertei tudo pelo e-mail, o pessoal da Ativa é muito atencioso, me ligaram também pela manhã para confirmar. Eles fazem passeio a partir de 2 pessoas, então para os casais o passeio pode ser aventura e romance ao mesmo tempo. E vamos aos detalhes.

Saímos de Ilhéus às 10:00, o que não contávamos era com o engarrafamento no sábado sentido Pontal-Centro, já que estávamos na contra-mão do fluxo, geralmente o trânsito fica parado no sentido para as praias do Sul, enfim, Ilhéus tem trânsito intenso nos feriados, o que já abordei aqui. Não faça como a gente, cheguem na hora marcada por que assim dará tempo de fazer os dois passeios, saia de Ilhéus às 09 horas:

11:00- Rafting com Ativa

13:00 – Almoço Vila Rosa ou restaurante de comida caseira

14:00- Passeio guiado pelo Vila Rosa à Fazenda de Cacau, colheita, fábrica de chocolate e museu

Olha o link do mapa aí: São 90 km e 1:40 de distância: https://www.google.com.br/maps/@-14.553884,-39.4673876,10z/data=!3m1!4b1!4m2!7m1!2e1

O pessoal da Ativa iria nos esperar na Placa da Vila Rosa, mas atrasamos, depois do trevo de Itacaré a BA 654, a estrada é muito, muito sinuosa e requer dirigir lento e com atenção redobrada.

Daí que quase erramos, vimos o primeiro Rafting pela frente e paramos o carro, achamos que era esse, eu tinha levado as anotações mas esqueci de olhar o nome do Agente. O rapaz da Ativa chegou de moto e nos chamou, ele nos identificou pelo Carro, eles são tão cuidadosos perguntaram no e-mail até o carro que iríamos, para facilitar o contato. A concorrência lá não dá moleza e já estavam nos “aliciando”. Brincadeiras a parte, para chegar na base da Ativa , tem de atravessar o vilarejo de Taboquinhas, que já foi importante e hoje é muito pobre. Passam mais 200 metros depois do posto de combustível e voilá. O funcionário de moto foi nos guiando, se você estiver sozinho, o mais fácil e entrar em Taboquinhas e perguntar onde é o posto.

Chegando lá vimos logo a diferença da primeira base de rafting que paramos errado(por nossa culpa e nosso atraso) para a Base da Ativa: profissionalismo, organização, estrutura de lazer completa.

Recebemos instruções e como éramos apenas 2, um funcionário foi no bote e outros 2 de segurança desceram num caiaque inflável.

O carro da agência nos leva ao ponto de início do rafting 3km acima do Rio de Contas, o ponto final é a base da Ativa. Roupas leves e muito, muito protetor solar. Usei short, mas acho que seria melhor uma calça ou bermuda legging, afinal o bote pode virar, é preciso de proteger das pedras.

E aí descemos o Rio e foi só aventura, bateu tensão e medinho. Na hora de pular uma queda que o bote não desce por segurança, eu gelei, o nosso “motorista”, (é bote tem motorista que vai atrás nos guiando e posicionando a embarcação), o nome dele é Alex, pegou na minha mão e me tranquilizou, pulamos juntos, com certeza ele tem experiência com gente medrosa como eu. E Foi massa… já quero de novo…

Aproveitei para observar pássaros nativos e a mata Atlântica altamente preservada. Faço observação urbana de pássaros, mas aqui é especial, ainda mais por que os guias conhecem tudo, então vimos: pato d´água, espanta boiada, garça, andorinha.

As corredeiras não estavam muito fortes, o rio estava mais vazio, para nós foi excelente, afinal era o primeiro Rafting da vida e ainda tínhamos medo e receio.

Foi tudo maravilhoso, tem saltos, pulo em pedras, descidas fortes e outras moderadas, remar não é tão intenso, pois tem outras pessoas no bote e trabalho em equipe ajuda muito.

E sabe por que temos essas fotos maravilhosas, por que a agência faz fotos por 30 reais  para o casal, você recebe um CD com muitos arquivos.

Terminamos o passeio, na base tem vestiário, chuveiro e ainda rolou tirolesa radical sobre o Rio de Contas, tudo por 60 reais por pessoa e aceita cartão, achei preço excelente pela infraestrutura do local e atendimento primoroso da equipe. Amamos e com certeza voltaremos com nossos amigos.

Fomos almoçar na Vila Rosa, fizemos o pedido na Ativa antes do passeio de Rafting, eles tem o cardápio e aí quando chegamos no restaurante, nossa Moqueca estava deliciosa e prontinha bem no horário combinado. Não deu para fazer o passeio guiado pela fazenda por conta de nosso atraso, então ficará para a próxima. Outra dica, não peçam sobremesa no restaurante, deixe para pagar sua conta na lojinha e lá provar 1 das dezenas de tipos de trufas e chocolates com sabores especiais. Experimentem o tradicional Mel de Cacau, líquido que escorre do cacau, é uma delícia e uma iguaria da região, como é muito doce peçam  “shot”, o copo pequeno, pois o grande ou jarra pode ficar um pouco enjoativo, a não ser que estejam em grupo.

Sobre a Vila Rosa é uma antiga Fazenda de cacau da década de 1930, auge desta lavoura. Estava abandonado e em ruínas, um americano comprou e recuperou tudo. Ficou lindo, o almoço no restaurante foi muito bom, não aceita cartão, levar dinheiro mesmo, Itacaré e Ilhéus são os caixas eletrônicos mais próximos. Quem deseja entrar no universo amadiano, dos Livros de Jorge Amado, tem de conhecer uma Fazenda de Cacau. Ficou o desejo de me hospedar lá e dormir num antigo quarto de Coronel do Cacau na beira do Rio de Contas, com mobílias antigas.

 

Pelo que vi nas fotos, o passeio guiado tem visita a Fazenda, ao plantio, colheita, degustação de frutos, fábrica de chocolate que eles produzem artesanalmente e ao museu dentro do casarão. Tem piscinas naturais de pedra, um belo paisagismo, o local é Bucólico e lindo. Ainda achei este gatinho manhoso que não saia do colo e deu vontade de levar para casa.

E você , leitor da região, ou de fora se animou para conhecer as belezas da Mata Atlântica?

Não se esqueça de ler nossos outros artigos sobre turismo e gastronomia e acompanhar nosso snapchat @falecomjurema:

I Love Guaiamun

Surf e Comida Natural em Ilhéus

Veraneando em Ilhéus

Giro Gastronômico – Ilhéus


Todas as impressões aqui escritas são pessoais e não recebemos qualquer incentivo ou vantagem das empresas aqui citadas