Qual melhor bairro para se hospedar em Ilhéus?

Qual melhor bairro para se hospedar em Ilhéus?

Vixe, já passou da hora de escrever mais sobre a cidade que optamos viver. Cheguei em Ilhéus para estudar e já se vão quase 20 anos!

Quando os amigos vem passear , sempre tem essa dúvida, qual o melhor bairro para se hospedar?

Qual a melhor praia para passar o verão?

Como toda cidade, vai muito do perfil do viajante.

Apesar da maioria das atrações estarem no Centro Histórico, não recomendo ficar por lá. Pelo dia é muito movimentado, mas à noite é um deserto, nem pense em querer tirar fotinhos pelas bandas da Prefeitura, é um ermo mesmo,  perigoso, rola assalto.

Ficar nas praias do Norte ou do Sul é ideal para quem está de carro e quer tranquilidade, dar uma caminhada pela manhã na areia molhada é impagável.

Agora, se você quer curtir Ilhéus, hospedagem, boa, bonita e barata, o ideal é o Bairro Pontal. Quem está mochilando também. Quem está a trabalho também. Quem está com crianças também. Vou explicar os motivos.

O Pontal fica na Zona Sul, tem várias Pousadas, umas mais sofisticadas como o Pier do Pontal, e outras mais simples, porém confortáveis e limpas. As pousadas e pequenos hotéis ficam tanto na avenida principal que é a Lomanto Júnior que vai margeando a baía do Pontal, como nas ruas transversais. Preço bom e barato. Razoável, com café da manhã; só pergunte antes sobre estacionamento. Algumas não estão no Booking ou Hoteis.com, veja no google maps e ache aquela ideal para seu orçamento.

foto @alemberg_ilheus

Visão de Ilhéus- Foto tirada no Morro de Pernambuco- final do bairro Pontal, início do bairro Nova Brasília

1º motivo- Preço

O Pontal tem muitos restaurantes e barzinhos, uma mini-passarela do álcool(nada parecido com Porto Seguro), mas chamamos assim mesmo, é o encontro das ruas Coronel José Pessoa e Hermínio Ramos. Ficando no Pontal você poderá curtir a noite à pé, sem custos e de forma segura,  de vez em quando tem blitz Lei seca,  e não custa lembrar que álcool e direção matam, além de ser ilegal. Ilhéus tem Uber, coloque este código(mshw1tzyue) e ganhe 20 reais em sua primeira corrida. São muitas opções de gastronomia, e tudo isso  no Pontal, já falei aqui no site em três artigos sobre ótimas opções para comer bem.

O Pontal também tem o aeroporto, o barulho não incomoda em nada, não são tantos vôos assim. Quem vem com pouca mala ou mochila já vai andando para a pousada/hotel.  Tem Pontos de ônibus urbano fácil de ir para as praias do Sul ou para o Centro. Linhas intermunicipal também, facilitando deslocamento até Olivença, Canavieiras, Una, Comandatuba ou até a Rodoviária. Tem uma Orla ótima para caminhar e pedalar.

2º motivo- Mobilidade

O Pontal é um bairro residencial, diferentemente do centro que é 100% comercial. Assim, é comum você andar nas ruas e ver pessoas nas portas de casa conversando, tomando uma cervejinha, passeando com o cachorro. Também tem serviços, e comércio de bairro, farmácia, mercado, açougue, padarias, doçaria, lavanderia, restaurante à kilo, PF, lanchonete, pizzaria, tudo bem próximo, dá para fazer tudo á pé e para todo tipo de bolso e gosto. Quem está com crianças , tem pracinha para brincar à noite enquanto os pais comem um acarajé. Para quem está mochilando dá para economizar com as despesas de alimentação e hospedagem.

3º motivo- Facilidades 

Baía do Pontal


Sobre outros bairros.

Centro – Já falei as minhas ressalvas. Quem está passando 1 dia por motivo de trabalho, até que vai, mas lembre-se de tomar cuidado em sair de noite. O Vesúvio e o Bataclan são ótimas opções pela Noite, mas segurança também é bom, reforço o alerta, é muito escuro pela noite para sair caminhando sozinha(o). Evite usar celular ou jóias ou bolsas ou máquinas fotográficas. Não faço este alerta de forma feliz, já fui assaltada bem na esquina do Vesúvio, sou moradora local, então é mais do responsabilidade passar informações precisas aqui no site.

Vesúvio

São Francisco , Jardim Atlântico, praias do Sul –  Tem excelentes pousadas e hotéis, pé-na-areia. Acordar com o barulhinho do mar é maravilhoso, mas apesar de você ver no mapa um bairro bem na frente (Urbis/Nelson Costa), não é tão perto quanto imaginam, as ruas são muito escuras à noite.

Pela pista só passam 3 linhas urbanas (Ceplus,  Olivença, Acuípe), estes ônibus vão fazem sentido praia do Sul/Centro e demoram muito de passar. Então quem está sem carro a mobilidade fica mais difícil e mais cara, você terá de usar e abusar do Uber, pois táxi em Ilhéus é uma fortuna.

De carro, tudo fica mais tranquilo, pois em 5 minutos você está no badalado bairro Pontal  e 10 minutos no Centro da cidade. Para passear pelo dia acrescente uns 15 minutos à mais,Ilhéus tem engarrafamentos homéricos pois só temos uma ponte. Já escrevi artigo aqui falando tudo sobre a mobilidade urbana de Ilhéus. 

Você achará nas Praias do Sul tanto Resort de Luxo quanto pousadas bem aconchegantes ou Hotéis de Charme.

Savóia/Praias do  Norte – Também tem muitas pousadas pé na areia, como as praias do Sul, sem carro, você ficará “Ilhado”. Como a maioria dos hotéis ficam na Rodovia Ilhéus-Itacaré é meio caminho para harmonizar , inclusive conheça o nosso roteiro de final de semana nas duas cidades . Mas sem carro é quase impossível este deslocamento. As pousadas são mais intimistas, como muita Mata Atlântica ao entorno e não tem comércio perto, planeje-se bem. A estrada está sem manutenção, então sugiro ir para Itacaré pelo dia, são muitas curvas perigosas e sem acostamento.

Quer conhecer mais sobre o belíssimo Sul da Bahia, leia também:

Onde comer bem em Ilhéus?

Aventura- Rafting em Itacaré, como é o passeio?

Conheça o Guaiamun- o irmão azul do caranguejo 

Onde comer bem em Itabuna?

Todas as fotos deste artigo são de Alemberg Santana, médico, fotógrafo iniciante e apaixonado pela cidade. Conheça seu Instragam com imagens belíssimas: https://www.instagram.com/alemberg_ilheus/ @alemberg_ilheus

10 dias antes da abertura, Festival de Música de Trancoso tem ingressos esgotados

10 dias antes da abertura, Festival de Música de Trancoso tem ingressos esgotados

Passando longe da “crise” tão anunciada pelos meios tradicionais de comunicação, o Festival Internacional de Música de Trancoso 2016 tem sessões esgotadas desde dezembro de 2015 com venda on-line de 100% dos ingressos.

45.759.417 pessoas já viram o  famoso clip de Bobby Macferrin, aquele assobio do início é inconfundível. Em Trancoso no Sul da Bahia 1.000 participantes  e convidados verão pessoalmente e bem de perto o show do consagrado músico e cantor.

No site do evento você poderá ver o currículo e perfil de cada musicista que fará parte desta grandiosa festa da música clássica e popular em 8 dias de intensas atividades. Veja o de Bobby  McFerrin que fará a abertura no dia 05/03 próximos.

” Bobby quebrou todas as regras. Dez vezes vencedor do prêmio Grammy, Bobby confundiu as fronteiras artísticas ao brincar descalço nas mais elegantes salas de concerto do mundo, ao desbravar territórios vocais até então inexplorados e ao servir de inspiração ao movimento beatbox e a toda uma nova geração de cantores a cappella.

Seu último CD, spirityouall, tem um toque de blues e uma aura de bem‐estar, mudança inesperada por parte de um rebelde da indústria fonográfica que, por conta própria, redefiniu o papel reservado à voz humana no hit a cappella, Don’t Worry, Be Happy e em parcerias com Yo‐Yo Ma, Chick Corea e com a Filarmônica de Viena, no coro de improvisoVoicestra e em lendárias performances vocais solo.

Ele promoveu a mais silenciosa e delicada das revoluções. Bobby McFerrin sempre foi um astro pop inusitado. Logo no início da carreira, criou um hit que não saía da cabeça das pessoas e que por um longo período liderou a lista das músicas mais ouvidas. Depois disso, seguiu tranquilamente em busca de sua própria jornada musical iconoclasta.

Apresentou improvisos em cadeia nacional de TV, cantou melodias sem letra, criou, com muita naturalidade, peças para 60 mil coristas em um estádio alemão, ignorou fronteiras de gênero, desafiou todas as expectativas.

A maioria não sabe que Bobby vem de uma família de cantores. Seu pai, o barítono de ópera Robert McFerrin, deu voz às canções interpretadas pelo ator Sydney Poitier no filme Porgy & Bess. Sua mãe, Sara, era uma excelente soprano solista e professora de canto.

Bobby cresceu cercado de todo tipo de música. Costumava reger Beethoven diante do aparelho de som aos três anos de idade; ficar escondido embaixo do piano enquanto seus pais lecionavam para jovens cantores; dançar pela casa para Louis Armstrong, Judy Garland, Etta Jones e Fred Astaire.

Quando criança, tocou clarinete a sério, mas a carreira de pianista iniciou‐a aos 14 anos de idade. Liderou seus próprios grupos de jazz, estudou composição, partiu em turnê com a banda do espetáculo de patinação no gelo Ice Follies, tocou em aulas de dança. Um dia, caminhando de volta para casa, se deu conta de que de fato sempre fora cantor.

A história de Bobby como instrumentista e líder de banda é essencial para entendermos sua abordagem inovadora no mapeamento de harmonia e ritmo (assim como melodia) através da voz. “Eu não consigo cantar tudo de uma vez”, diz, “mas posso sugerir algo, de modo que o público escute mesmo aquilo que não canto”.

Esse espírito pioneiro e esse virtuosismo abriram todo um universo repleto de novas possibilidades para os cantores. Foi assim com os experimentos de Bobby na gravação multicanal de voz (em Don’t Worry, Be Happy há overdub de sete faixas vocais distintas; em seu álbum coral VOCAbuLarieS, com Roger Treece, há milhares).

Mas a questão não é o virtuosismo. “Eu procuro não fazer performances no palco”, afirma Bobby. “Tento cantar do mesmo jeito que canto na minha cozinha, porque não consigo me conter. Quero que o público volte pra casa e também cante na cozinha no dia seguinte. Quero que o público tenha a mesma sensação incrível de alegria e liberdade que eu experimento quando canto”.”